Bife Wellington do Master Chef

  
Foi no penúltimo capítulo do Master Chef que conheci esta receita e achei muito interessante. Depois de ler e ver alguns vídeos na internet eu resolvi testar e vou compartilhar aqui com vcs. 😉

Rendimento: Serve 4 pessoas

Custo: ★★★★★

Dificuldade:  ★★★★★

INGREDIENTES

  • 600 a 700gr de filé mignon
  • 400 gr de cogumelo fresco
  • 6 dentes de alho
  • 1/2 cebola
  • 200gr de presunto parma
  • 1 folha de massa folhada
  • Mostarda de Dijon
  • Sal e pimenta a gosto

MODO DE PREPARO

  1. Tempere a carne com sal e pimenta e depois sele a carne de todos os lados em uma frigideira. Reserve, deixe na geladeira por 15 min. Para descansar e esfriar. 
  2. Depois prepare o purê de cogumelo. Lave bem os cogumelos e triture junto com o alho e a cebola. Eu fiz em três partes porque não cabia tudo de uma vez no meu processador. Depois de processar, na mesma frigideira que você selou a carne coloque o purê e deixe reduzindo até secar a água. Tempere com um pouco de sal. Quando estiver bem sequinho coloque em outro recipiente e leve à geladeira para esfriar. Dica: O meu purê não ficou totalmente sequinho, mas precisa ficar para não soltar água. Então tenha certeza de que ele tá bem sequinho antes de desligar o fogo ok?! 
  3. Agora é hora de montar o bife. Espalhe mostrada de Dijon em todo o bife, forre uma superfície com plástico filme e faça uma caminha com o presunto parma e por cima coloque o purê de cogumelo bem espalhadinho. Aí você enrola como se fosse um rocambole e feche bem as pontas. Eu passei várias camadas de plástico filme pra ficar bem apertadinho. Dica: não deixe sobrar nem um espacinho sem presunto, pois ele ajudar a conter a água a vai soltar da carne durante o cozimento. O meu ficou uns espacinhos e por isso soltou um pouco de líquido. Depois de bem enroladinho leve mais uma vez à geladeira para descansar por 15 min. 
  4.  Agora é hora de enrolar a massa folhada. Retire o bife da geladeira e mais uma vez forre uma superfície com plástico filme para ir enrolando a massa como você fez na etapa anterior. Deixe bem firme também…e por ultimo deixe descansar mais 10 min na geladeira.  
  5. Por fim, desenrole o bife e coloque em uma forma untada com manteiga ou com um pedaço de papel manteiga como fiz. Faça pequenos risquinhos  na massa para que ela respire, pincele 1 gema de ovo batida por cima e leve para assar em forno pré-aquecido a 200 graus por aproximadamente 40 min…. Até ficar douradinho por cima.   Esta receita não é totalmente dificil, mas eu considero bem delicada porque em várias etapas você precisa acertar no ponto para que o final saia como esperado. A minha receita não deu 100% certinha porque vazou o líquido da carne na massa, pode ter sido também um pouco de água que ficou no purê. Isso não pode acontecer, mas ainda bem que não comprometeu todo o resultado. O bife ficou saboroso, mas deveria ter ficado totalmente sequinho. Serviu de experiência e vou aperfeiçoar para o próximo! Eu servi com um risoto de queijo brie e gorgonzola, mas pode servir com salada, batatas ou outro acompanhamento que você gostar. Veja o resultado:  

  Esta é a hora mais esperada, cortar ao meio e ver como ficou o ponto! A carne deve estar bem rosadinha e suculenta por dentro, sem estar toda assada. Então o ponto eu acertei, ainda bem ahahhaha.

Eu incentivo vocês a fazerem esta receita porque o resultado é bem gratificante. Espero que tenham gostado!

Obrigada pela visita e volte sempre! 😚

Poly.

Bolo de Banana

  
Este bolo de banana fica uma delícia e é  muito fácil de fazer. 

INGREDIENTES

  • 3 bananas nanicas ( bem maduras, quase passando)
  • 100 gr iogurte natural, usei 1 potinho de Grego
  • 1/2 xic de óleo 
  • 1 xic de açúcar 
  • 1 xic de farinha de trigo
  • 2 ovos 
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó
  • Açúcar e canela para polvilhar ( faça uma misturinha) 

MODO DE PREPARO

  1. Amasse 2 bananas e junte todos os ingredientes, exceto o açúcar  com canela que você vai usar para polvilhar;
  2. Misture a massa em uma tigela e por último coloque o fermento em pó;
  3. Coloque em forma untada e polvilhada com açúcar. Pique a outra banana em rodelinhas por cima da massa. 
  4. Polvilhe açúcar e canela por cima e leve ao forno pré-aquecido por 30-35 minutos em fogo médio. 

  
 

Façam este bolinho delícia e seja feliz!!! 😉✌🏻️😃😘

Obrigada pela visita e volte mais vezes aqui no blog! 

Super beijo, Poly! 

Caldo Simples (Improvisado) para Risoto de Limão Siciliano

  
Este caldo eu preparei para fazer um risoto de limão siciliano. Inventei na hora com o que eu tinha em casa, aproveitei para deixar o gostinho do limao mais acentuado usando as duas metades de um limão espremido. Só lavei bem a casca e coloquei para ferver junto com os talos. 

Não chega a ser uma receita, é mais uma dica para dar um “tcham” no seu risoto de limão siciliano. 

INGREDIENTES

  • Talos de cebolinha verde
  • Talos de salsinha
  • 2 metades do limão siciliano que você usou para espremer o caldo para usar no risoto. 

MODO DE PREPARO

  1. Coloque 1 litro de água para ferver em uma panelinha;
  2. Coloque os talos e as metades do limão;
  3. Tempere a seu gosto. Eu gosto muito de usar sal e pimenta do reino moída na hora, mas você pode usar o tempero que gostar;
  4. Deixe fervendo enquanto prepara o risoto. ☺️

Simples e gostoso.

Depois vou postar a receitinha do risoto tbm. 

Obrigada pela visita!

Beijos, Poly.

Truques e dicas para fazer Cheesecake

menu_Original_Cheesecake(Foto: The Cheesecake Factory)

Achei muito bacana essas dicas sobre o Cheesecake! É do site Receitas de Minuto:

“Antes de começar a dar dicas sobre o preparo de uma Cheesecake é importante vocês saberem que existem duas versões: De Geladeira e Assada. A cheesecake de geladeira não precisa ir ao forno, geralmente não tem ovos e para ficar firme usa gelatina sem sabor, já a assada que é a versão tradicional é uma massa com ovos e que precisa ir ao forno (claro). 

Hoje vamos falar da cheesecake assada, que é um bolo macio, delicado e suave, eu acho sua textura mais parecida com um pudim de pão do que um bolo, mas como chamam assim quem sou eu para falar que não é um bolo, né? Essa é uma sobremesa americana que ganhou o mundo e hoje vamos aprender algumas dicas para não errar no preparo dessa delicia.

Preparo da forma: Sempre use uma forma de fundo removível, unte, forre o fundo com papel manteiga untado e não se esqueça de untar as laterais também, assim quando a cheesecake estiver esfriando ela vai se soltar sozinha das laterais facilitando na hora de desinformar.

Base: A base geralmente é feita com a clássica massa de bolacha + manteiga, para ter uma base perfeita é importante triturar muito bem a bolacha, misturar com manteiga gelada e forrar apenas o fundo da assadeira de forma que fique tudo muito bem compactado.

Pré – Assar: Eu gosto de pré – assar a massa por 10 minutos a 180ºC e deixar esfriar, assim não corre o risco da massa ficar crua e o recheio se misturar com a massa, mas se desejar também pode levar para gelar, assim a manteiga volta a solidificar e mantêm a base no lugar quando for adicionado o creme.

Creme: Sempre mantenha seus ingredientes em temperatura ambiente, misture o creamcheese com açúcar, leite ou creme e adicione os ovos levemente batidos e apenas mistura para ficar um creme homogêneo, não bata muito pois acaba criando bolhas de ar, e uma boa cheesecake deve ser solida.

Farinha: Algumas receitas pedem um pouco de farinha ou amido, porém não é tão necessário, o que acontece é que quando adicionado esses ingredientes a textura muda levemente e deixa a massa um pouco mais firme e assa um pouco mais rápido. Já as receitas sem adicionar farinhas ficam mais leves e demoram um pouco mais para assar.

Obs: Eu costumo adicionar 3 colheres (sopa) de farinha de trigo, porém é importante seguir a receita, assim não tem erro.

Assar: Você fez tudo direitinho e chegou a hora de assar, então agora precisa escolher se quer assar em Banho Maria ou Direto no Forno como um bolo.

  • Em banho maria sua cheesecake vai assar de forma mais uniforme e não corre o risco de afundar quando sair do forno, porém assim demora um pouco mais para ficar pronto.
  • Direto no forno sua cheesecake vai ficar mais dourada pois as bordas tendem a assar mais rápido que o centro, e quando sai do forno acaba murchando um pouco, porém demora menos tempo para ficar pronto.

Obs: Eu pessoalmente faço direto no forno sem banho maria, gosto das bordas mais coradas e não sinto diferença na textura da massa com esse método e também não uso papel alumínio para abafar.

Tempo de forno: Como sabem cada forno é único então o tempo pode variar, aqui demora 40 minutos em 200ºC (assando sem banho maria), porém muitas pessoas acabam com uma cheesecake rachada e seca por deixar muito tempo no forno, então aqui vai um truque:

Para saber se a cheesecake esta assada de uma “porradinha” no forno ou mexa levemente a forma, se o meio estiver parecendo uma gelatina (levemente molenga) é porque já esta pronto, então desligue o forno e deixe a porta entreaberta, assim o calor residual do forno e da massa vai terminar de assar o centro e sua cheesecake vai ficar perfeita.

Esfriar: O ideal é que deixe ele esfriando dentro do forno com a porta entre-aberta por pelo menos 1 hora, só depois leve para a geladeira e não se preocupe que se ele estiver levemente molenga, mas agora a geladeira cuida do resto e vai deixar tudo firme e cremoso.

Cobertura: A cheesecake pode receber a cobertura que você quiser, seja uma geleia, frutas frescas ou uma ganache de chocolate, o importante e escolher algo que você goste, pois a massa é bem neutra e combina com tudo.

Obs: Só tome cuidado com doces muito doces, pois as receitas de cheesecake costuma conter bastante açúcar então dependendo da cobertura pode ser melhor reduzir a quantidade na massa”.

E aí… vai correr pra cozinha e preparar um?!!! AQUI tem a receita de um bem gostoso!!!

Beijos.

Poly!

Canjica Doce

receita-canjica-com-creme-de-leite(Foto ilustrativa)

A receita de hoje é para quem gosta de comidinha de vó! Eu cresci comendo canjica doce, na minha casa falamos “canjicão”, porque os grãos são grandes. Minha mãe e avó fazem com amendoim, coco ralado e tudo que tem direito… eu particularmente gosto assim bem incrementada, mas algumas pessoas preferem ela simples mesmo. Foi a 1° vez que fiz em casa, como eu iria levar em uma festinha preferi deixá-la sem muitos incrementos mesmo. E ficou boa viu!!! Vem ver!

  • Rendimento: Serve 12 pessoas
  • Custo: ★★★★
  • Dificuldade: ★★★★

INGREDIENTES

  • 1 litro de leite integral
  • 1 pacote de 500gr de milho para canjica (Eu comprei esse milho amarelo, mas existe o branco também que é mais usado aqui em SP)
  • 1 caixinha de leite condensado
  • 1 caixinha de creme de leite
  • 1 vidro de leite de coco
  • Canela em pau

Sem título

MODO DE PREPARO

  • No dia anterior ou 2 horas antes, coloque o milho de molho em um recipiente com água. Isso é para ir amolecendo o milho, minha vó faz assim então eu copiei! kkkk
  • Em uma panela de pressão, coloque o milho e complete com água até o meio;
  • Tampe a panela, ligue o fogo e depois que pegar pressão deixe cozinhar de 30 a 40 minutos;
  • Desligue e deixe sair a pressão,veja se o milho está cozido. Se não estiver, coloque um pouco mais de água e deixe cozinhar por mais alguns minutos. Se já estiver cozido, tempere a canjica assim:
  • Adicione ao milho cozido, o leite, o leite condensado, a canela em pau e misture bem! Deixe ferver por aproximadamente 30 minutos para engrossar o caldo;

foto 2 (1)

 

Nesse ponto eu tinha acabado de colocar o leite… deixe engrossar!

foto 1 (1)

  • Acerte o doce, se necessário;
  • Sirva quentinha ou fria!!!
Dica da minha sogra: coloque uma pitada de sal para acentuar o sabor!!!

Se você quiser pode acrescentar amendoim triturado e coco ralado!

Hummmmmmm gostoso!!!

Obrigada pela visita!

Beijos,

Poly!

Tipos de Uvas e suas Características

Que tal descobrir como são feitos os vinhos de sobremesa?

O post de hoje é sobre os diversos tipos de uvas , suas características e combinações harmônicas que cada uma delas compõe. Os apreciadores de vinho vão gostar!!! Preparados???

A Rainha das Uvas Brancas, CHARDONNAY

Conheça a rainha das uvas: Chardonnay

A rainha das uvas brancas não se limita só a acompanhar peixes ou ser apreciada no verão. Um bom Chardonnay, que tenha passado por barricas de madeira, é um vinho estruturado, que lembra amêndoa, baunilha e chocolate branco.
É perfeito apra acompanhar queijos como Colonial, Samsoe ou Gorgonzola, ainda mais quando combinados com frutas secas, como damasco.

SIRAH,  a Uva do Deserto

Saiba mais sobre a Syrah, a uva do deserto

A uva do deserto, que surge no Oriente Médio, é exótica em todos os sentidos. Seu aroma remete a especiarias como cravo, canela, chocolate. Quanto mais quente for a região produtora, como so vales cálidos do Chile, mais denso será o Syrah.
É o vinho para as carnes exóticas, combinando muito bem com cordeiro e com caças, como javali. ao final da refeição, pode vir com os chocolates.

A espanhola TEMPRANILLO

Saiba tudo sobre a Tempranillo, uva símbolo da Espanha

Símbolo da Espanha. Tem se espalhado pela fronteira do Rio Grande do Sul, surpreendendo a crítica internacional pela qualidade. As notas frutadas e a potência de taninos fazem com que seus vinhos envelheçam muito bem, melhorando ainda mais quando passam por barricas de carvalho.
É perfeito para servir com carnes como cordeiro, gado; na parrilla, ao estilo argentino, combina com os “miúdos”. Acompanha bem tábuas de queijos fortes como provolone, parmesão, grana padano.

CABERNET SAUVIGNON

Conheça a Cabernet Sauvignon, a rainha das uva tintas

A rainha das uvas tintas é simbolo de qualidade e tradição. Seja vinho jovem, seja mais maduro, tem sempre o aroma marcante da pimenta negra, das frutas vermelhas maduras e um toque defumado.
Além de nobre, é versátil: a Cabernet Sauvignon combina com pizzas, queijos curados ou massa mole, carnes como vazio (à moda gaúcha), cordeiro e até receitas com carne de panela.

A Uva Francesa MALBEC

Conheça a uva francesa Malbec

Esta uva francesa, que encontrou as condições perfeitas na Argentina, é uma das estrelas do inverno. Seu perfume, que lembra as tradicionais cerejas, é deliciosamente complementado, muitas vezes, com o tostado de barricas.
Assim, o Malbec é a melhor companhia para carnes, pizzas com sabores intensos e massas com molho de tomate. Nas tábuas de frios, pede os embutidos ao estilo copa.

Do Sul da França, TANNAT

Quer saber por que alguns vinhos tem o nome do seu lugar de origem?

Como diz o nome, a uva é rica em tanino, substância que dá estrutura ao vinho. É originária do sul da França, mas se adaptou muito bem ao Uruguai e agora é uma das estrelas da Campanha Gaúcha.
Tannat pede uma bela carne, é o companheiro perfeito para o churrasco. Se for combinar com queijos, o parmesão é sempre a pedida.

CHENIN BLANC

Saiba mais sobre a uva Chenin Blanc

Uva originária do Vale de La Loire, França. A Chenin possibilita vinhos leves e fáceis de gostar, sua boa acidez favorece a elaboração até mesmo de espumantes.
Quando elaborada em grande estilo, seus vinhos atingem altíssima graduação alcoólica e podem envelhecer. Acompanha muito bem ostras, pratos delicados à base de pescados e frutos do mar e queijos leves.

A tradicional CARMÉNÈRE

Saiba por que a Carménère é uma das uvas favoritas dos brasileiros

A lendária uva, símbolo do Chile, é uma das favoritas dos brasileiros. Tem aroma muito frutado, com toque herbáceo e de especiarias, tais como cravo e pimenta.
O sabor, quando mais evoluído, lembra couro. É perfeito para combinar com carnes de caça, com molhos intensos, com massas tipo bolonhesa ou ragú de cordeiro.

MERLOT

Veja os pratos certos para harmonizar com Merlot

Uva da região de Bordeaux que tem se adaptado com perfeição na Serra Gaúcha. Seu aroma tem toques herbáceos, lembra muito pimentão e framboesa.
Na hora de harmonizar, combina bem com pizzas à base de molhos vermelhos, embutidos (calabresa, presunto Parma) e com queijos como Emmental, Gouda, de massa macia, porém não demasiadamente picantes.
 
PINOT GRIGIO
Saiba por que a Pinot Grigio é a uva do momento
A uva branca, que está entrando na moda nomunto inteiro, é amplamente cultivada na França e no norte da Itália. Tem mostrado enorme potencial na Campanha Gaúcha.É um vinho refrescante, intenso, com aroma que lembra limão e laranja e equilibrado quanto à acidez natural. É o vinho para acompanhar saladas, pizzas com rúcula e tomate seco, e petiscos leves.

 
Gostaram??

Os créditos dessa matéria e de todo o conteúdo é do site Super Culinária.