Creme de Confeiteiro ou “Crème Patissière”

imageOiiiiiii pessoal! Quanto tempo eu não apareço por aqui não é mesmo? Pois hoje resolvi testar uma receitinha nova (nova para mim né? kkkk) que é o famoso creme de confeiteiro ou “Crème Patissière”. Este creme é muito utilizado na culinária de muitos países e principalmente da França, afinal ele é francês. A receita que testei, não sei dizer se é aquela original mesmo feita nas confeitarias francesas, mas eu pesquisei bastante e me inspirei em 2 sites antes de fazer, um deles é o I Could Kill for Desert da Dani Noce e o outro é o All Recipes. A receita leva fava de baunilha, você vai encontrar nestas lojas de confeitarias por aí, eu ainda tinha uma que ganhei da minha sogra há um tempo atrás :-).  Então vamos lá à receita:

  • Rendimento: Suficiente para uma tortinha média.
  • Custo:★★ ★★★
  • Dificuldade:★★ ★★★

INGREDIENTES

  • 500 ml de leite integral, em temperatura ambiente
  • 1 fava de baunilha
  • 90 gr de açúcar refinado
  • 4 gemas de ovo, em temperatura ambiente
  • 1 colher (chá) de amido de milho (Maisena)
  • 50 gr de farinha de trigo

MODO DE PREPARO

  1. Comece aquecendo 400 ml de leite em uma panela junto com a raspinha da fava de baunilha. (Com a ponta de uma faca abra a fava da baunilha, raspe as sementinhas de dentro e coloque dentro do leite. veja aqui um post no blog sobre a baunilha). Deixe esquentar em fogo baixo por 4 minutos, sem deixar ferver. Reserve;
  2. Agora em uma tigela bata as gemas com o açúcar até formar um creme homogêneo e mais clarinho.
  3. Nos outros 100 ml de leite dissolva a Maisena para evitar que empelote quando for levada ao fogo;
  4. Depois acrescente às gemas batidas o restante do leite e a farinha de trigo. Misture muito bem;
  5. Finalmente coloque este creme no leite morno que está na panela e ligue o fogo baixo, mexendo sem parar por 6-8 minutos, ou até engrossar. Dica: Nos últimos 2 minutos quando o creme começa a engrossar tem que mexer bem rápido para não empelotar o creme.
  6. Retire da panela o creme pronto e coloque em uma travessinha. Cubra com plástico filme de forma que fique encostado no creme para evitar aquela natinha por cima sabe? Deixe esfriar em temperatura ambiente e depois leve à geladeira até ser utilizado. Pode guardá-lo por até 48 hrs.

image

E aí, o que acharam? Espero que tenham gostado!

Beijos e obrigada pela visita!

Poly.

Uma Especiaria Medicinal: O Cardamomo!

cardamomgalore[1]

Após termos visto sobre as duas especiarias mais raras e caras do mundo: O Açafrão e a Baunilha, hoje o post é sobre uma especiaria não tão rara, nem tão cara, mas igualmente especial: O Cardamomo. Além do cardamomo ser caracterizado pelo seu aroma e sabor muito singular e forte, esta especiaria possui propriedades medicinais, o que a torna muito especial também!

“O Cardamomo é uma especiaria pouco conhecida no Brasil, mas muito utilizado na culinária e na medicina tradicional asiática. Por aqui, é possível encontrá-lo em mercados municipais e lojas de especiarias. Tem aroma intenso e gosto forte, levemente apimentado. Além de incluí-lo na massa de pães, bolos e carnes, o cardamomo também vai no café árabe e no chá. A semente dessa planta da família do gengibre, de folhas grandes e flores brancas, era mascada pelos egípcios para refrescar o hálito e limpar os dentes. Posteriormente, suas propriedades terapeuticas foram descobertas e ele passou a fazer parte do arsenal de produtos naturais voltados à saúde.

O cardamomo tem efeito digestivo, anti-séptico, diurético, laxante e expectorante – uma boa opção para auxiliar no tratamento de gripes e resfriados nessa época do ano, quando o índice dessas doenças aumenta. Basta apenas uma pequena colher para prevenir a formação e auxiliar a excreção do muco das vias aéreas.

Sua flor também é linda e delicada

800px-Flower_of_cardamom

O nutricionista norte-americano David Grotto, fundador da Nutrition Housecall (instituição que providencia cuidados personalizados de nutrição e dietética) e autor do livro “101 alimentos que podem salvar a sua vida” (Ed. Larousse), relata as propriedades do cardamomo para matar H. Pylori, a bactéria associada a úlceras. “Também exerce um efeito calmante no aparelho digestivo e é usada para tratar dispepsia e gastrite.” Na medicina chinesa, o ingrediente é utilizado contra problemas do aparelho digestivo, como a dor de estômago, náuseas e vômitos.

“O gengibre, que é da mesma família, é muito utilizado contra tonturas e enjôos. Em alguns países, ele é receitado para grávidas por conta dos enjôos”, afirma José Lara Alves Neto, presidente da Associação Nacional de Nutrólogos (Abran). A planta é utilizada também como antiinflamatório e algumas pesquisas já relataram benefícios no tratamento do câncer de cólon. No Oriente, ganhou a fama de ser afrodisíaco, por isso é inserido no café de modo a compensar o efeito da cafeína, que baixaria a libido, segundo a crença local.

Para incluí-lo no dia a dia, prefira comprá-lo em cápsulas e abrí-las somente no momento do uso. “Para preservar o aroma, ponto forte dessa especiaria, deve-se retirar as sementes com cuidado e, de preferência, torrá-las (a seco ou em óleo), em uma frigideira ou forno. Deve-se, também, evitar moer as sementes, pelo mesmo motivo, ou se moer, usá-las em seguida”, aconselha a nutricionista Solange Saavedra, gerente técnica do Conselho Regional de Nutricionistas/SP”.

(Texto de Chris Bertelli).

Em uma das minhas visitas ao Mercado Municipal de São Paulo, eu comprei algumas gramas de sementes de cardamomo. É possível utilizá-la em diversas receitas como, cafés, molhos, doces etc. Eu usei em um molho a base de creme de leite e aromatizado com vinho branco para servir com um filé de frango grelhado. O sabor diferenciado que o molho ganhou, transformou um prato que outrora era apenas um filé de frango grelhado em uma opção diferenciada e muito saborosa!

filé com cardamomo

Tudo bem, reconheço que é necessário pelo menos um pouco de ousadia para utilizar essa especiaria, o que não falta em mim (rsrs). Afinal na cozinha, a ousadia pode te levar a descobrir outros aromas, outros sabores e outras experiências! Experimentem e me contem o resultado!

O que acharam do post?!

Obrigada pela visita e volte sempre! 😉

Pimenta do Reino só se for moída na hora!

pimentadoreino

(foto: digamaria.com.br)

Vocês já notaram que uso pimenta do reino em todas as receitas salgadas que faço?! Isso porque eu AMO essa especiaria, sempre finalizo com um toque de pimenta do reino, mas tem que ser moída na hora, sempre! Não sei se isso é claro para todo mundo, a diferença entre a pimenta moída na hora e aquela vendida já em pó. Por este motivo e também por ser um ingrediente que nunca falta na minha cozinha, resolvi falar um pouquinho para vocês sobre a diferença entre elas.

A pimenta do reino, uma vez moída vai perdendo o seu sabor e seu aroma, além de ser prejudicial ao estômago e ao intestino (se quiser pode pesquisar mais a respeito). E quanto mais tempo ela fica alí moída  mais fraca ela vai ficando e você vai precisar usar uma quantidade maior para sentir o sabor, sem contar que o sabor fica totalmente diferente de quando ela é moída na hora. O ideal é você ter um moedor de pimenta e que possa ir à mesa, são um charme gente, eu adoro! Nada como ter uma pimentinha moída na hora em cima do prato ou do preparo na panela mesmo, dá um toque muito especial. Se você ainda usa pimenta em pó, decida trocar pela pimenta em grão e compre um moedor, você não vai se arrepender… eu garanto (rsrs)!

Segue um texto interessante sobre este assunto do site Brasil Sabor:

Poucos sabem que grande parte da produção mundial da pimenta-do-reino, que insiste em aparecer nos cardápios de restaurantes sofisticados como poivre, provém do Brasil. Apesar dos primeiros registros da pimenta-do-reino no país datarem do século XVII, sua exploração econômica somente começou na primeira metade do século 20, quando imigrantes japoneses que se fixaram no Pará plantaram algumas mudas da pimenteira. Logo o clima quente e úmido da Amazônia se mostrou propício ao cultivo da pimenta. Hoje grande parte da produção mundial se concentra no estado do Pará, levando o Brasil a ser um dos três maiores produtores do mundo.

A pimenta-do-reino é o fruto do pimenteira, uma planta trepadeira originária da Índia. A mais importante e conhecida das especiarias chegou a ser conhecida como o “ouro negro”, tamanha a sua importância séculos atrás. A pimenta era fundamental na conserva de carnes e outros alimentos, e por ter sido usada como moeda cambial em Roma, motivou os exploradores europeus a encontrar uma nova rota comercial entre a Europa e o Oriente.

Para obter a pimenta verde, as espigas são colhidas ao atingir dois terços de sua maturidade. Depois de debulhadas, são colocadas em salmoura antes de serem embaladas. A pimenta-do-reino preta também é colhida ainda verde, mas, ao contrário da primeira, é debulhada e posta ao sol para secar por um período de três a seis dias. Durante esse estágio, os grãos devem ser revolvidos para que a secagem seja feita uniformemente e sua cor escura prevaleça. Já a pimenta-do-reino branca é obtida apenas após a colheita da pimenta já madura, possuindo uma coloração amarela ou avermelhada. As espigas são postas em sacos, maceradas em tanques e depois drenadas e lavadas. São então postas ao sol para secar até alcançar suas características finais.

Espero que tenham gostado da informação.

Obrigada pela visita e volte sempre! 😉

As Encantadoras Especiarias!!!

especiarias

Hoje vou falar sobre algo que eu AMO!!! As ESPECIARIAS! Perco a cabeça quando vou ao Mercado Municipal de São Paulo e vejo tantas opções à minha frente, acho simplesmente espetacular e não pode faltar na minha cozinha, depois que as conheci não consigo mais cozinhar sem elas (rsrs)! Elas são o que podemos chamar de  “mágicas”. São capazes de transformar qualquer prato trivial em um prato requintado e muito saboroso, garante o sucesso de muitas receitas. Mas para utilizá-las adequadamente precisamos saber o sabor específico de cada uma delas e quais combinam com carnes, peixes, vegetais, aves e até mesmo doces. Tendo este conhecimento como base você pode usar sua imaginação e ser bastante criativa na preparação dos seus pratos, você verá os benefícios que as especiarias irão proporcionar aos seus conhecimentos e truques culinários.

Mas afinal, o que são especiarias?!?

O termo especiaria, a partir dos séculos XIV e XV na Europa, designou diversos produtos de origem vegetal (flor, fruto, semente, casca, caule, raiz), de aroma e/ou sabor acentuados. Isso se deve à presença de óleos essenciais. O seu uso as distingue das ervas aromáticas, em que usam principalmente as folhas. Além de utilizadas na culinária, com fins de tempero e de conservação de alimentos, as especiarias eram utilizadas ainda na preparação de óleos, ungüentos, cosméticos, incensos e medicamentos.(fonte: Wikipedia).

Há muitas especiarias, por isso vou listar aqui as principais, algumas delas uso com bastante frequência:

01 – Açafrão: É a especiaria considerada a mais cara do mundo. Para obtenção de apenas alguns gramas do produto são necessárias milhares de flores da espécie Crocus Sativus, e a colheita é inteiramente manual. A cada 200 mil flores se obtém 1 quilo da especiaria. Tem cor alaranjada e sabor picante levemente adocicado. O açafrão que conhecemos e encontramos facilmente nos supermercados tem muito pouco do açafrão original, é quase um produto “genérico”. Fica delicioso em arroz, massas e carnes.

02 – Anis Estrelado: Esta especiaria além de dar muito sabor é fofinha, é chamada assim porque tem formato de estrela. Pode ser usada em doces, bolos, sobremesas, pudins e chás. Combina muito bem com a canela e o gengibre. Conhecido também por ser uma planta medicinal, é muito utilizado para combater problemas gastrointestinais. Também é utilizado como matéria prima para a produção do famoso anti-viral Tamiflu.

03 – Canela: É uma especiaria  obtida a partir da parte interna do tronco da árvore, a caneleira. Possui sabor adocicado e ao mesmo tempo quente, pode ser utilizada em cremes, doces, bolos e bebidas. Na culinária indiana ela é utilizada também no preparo de receitas salgadas. Pode ser encontrada na versão em pau (original) ou em pó. Ainda, pesquisas indicam que o uso de canela na quantidade de uma colher de chá diariamente reduz significantemente o açúcar no sangue e melhora a taxa de colesterol. Além disso, são benéficas para diabéticos.

04 – Cardamomo: Esta especiaria é uma das preferidas dos indianos no preparo de seus alimentos. São vendidas em sementes torradas, possuem um sabor forte e muito característico. É o principal ingrediente do famoso garam masala (mistura de especiarias moídas juntas, muito utilizada na culinária indiana).

05 – Curry: Este é um dos que mais uso para cozinhar, meu marido ama! É uma mistura de várias especiarias feita na Índia e característico da cozinha indiana é constituído por coentro, cominho, feno-grego, alho, gengibre, canela, cravo, cardamomo, curcuma, pimenta do reino e pimenta vermelha, sendo comercializado sempre em pó. Muito aromático e de cor laranja bem forte, é a especiaria que representa a culinária indiana. Fica perfeito em aves e peixes.

06 – Cravo da índia: Esta famosa especiaria já incorporada na culinária brasileira é obtida a partir do botão seco da flor de cravoária. É considerada um afrodisíaco. Tem sabor bem forte, mesclando sensações doce e picante.

07 – Gengibre: Trata-se de uma planta. A parte comestível dela é chamada de rizoma (caules subterrâneos). Possui sabor picante e é muito utilizado na culinária chinesa, japonesa e indiana. Pode ser utilizado em pratos doces ou salgados, e pode ser encontrado em várias versões. Pesquisas científicas já comprovaram que o gengibre possui propriedades antiinflamatórias. Além disso é famoso por ser estimulante e afrodisíaco.

08 – Semente de Mostarda: Pequeninas sementes com sabor sutil e levemente picante. Combinam muito bem com pães, carnes e aves. É muito utilizada na culinária indiana e francesa.

09 – Lemmon Pepper: Maravilhoso, outro dos meus preferidos! O lemon pepper é composto basicamente de raspas da casca de limão siciliano e pimenta-do-reino moída, mas encontra-se por aí já adicionado de sal, alho e às vezes cebola. Fica muito bom no preparo de legumes, peixes, frango e massas.

10 – Noz-moscada: Esta especiaria é uma das minhas preferidas, uso muito. É obtida do fruto da moscadeira. Seu sabor lembra uma mistura de pimenta-do-reino com canela. Fica deliciosa em molho bechamel, molho branco para massas, bolos, doces e biscoitos. Para cozinhar, gosto de comprá-la inteira e ralar apenas no momento da utilização. O sabor fica mais vivo. A macis, que é a membrana que cobre a noz-moscada também é utilizada na culinária.

11 – Pimenta-do-reino: O Brasil além de um dos maiores consumidores desta especiaria muito conhecida, é também um dos maiores produtores mundiais. É comercializada em grãos ou já moída, e pode ser encontrada na versão preta, verde ou branca (preta sem a casca).

12 – Páprica: Feita com as sementes moídas do pimentão, pode ser doce ou picante dando cor e sabor aos pratos. A doce é utilizada para colorir alimentos claros como peixe, carnes brancas, sopas, molhos, canapés. A paprika picante pode substituir a pimenta vermelha moída. Gosto muito de usar a páprika no preparo de receitas da culinária mexicana.

Veja quais são estas especiarias na foto abaixo:

EspeciariasII

E ai, gostaram?! Me contem o que acharam do sabor quando usarem 😉

Obrigada pela visita e volte sempre!

Fonte: Figos&Funghis & Wikipedia